Um dia de Felicidade 

um dia de Felicidade2019

Foi relaizado atelier de desenho e pintura, dança folclórica, apresentação teatral, distribuição de brinquedos. Professoreas, mães, o pajé da tribo, Neda viúva do cacique e a irmã e Elieder Corrêa ( professora e escritora de Curitiba) 

 

 

Um dia de Felicidade 2018

A população de Camurupim vive com dificuldade. Mulheres e homens acordam às 3 horas da madrugada para irem trabalhar. A pesca de peixe e de marisco nos bancos de areia que se formam quando a maré está baixa é principal meio de vida da população. Retirar marisco da areia é uma atividade praticada quase totalmente por mulheres. Elas aproveitam a maré baixa e retiram com as mãos algumas e com uma espécie de ancinho outras. Quando a maré enche voltam para casa e retiram os moluscos das conchas, que são vendidos aos restaurantes por 10 reais o quilo, cerca de 1.5 francos. Com esse dinheiro sobrevivem.                                    

 

Para chagarem até os bancos de areia precisam de um barco, como as mulheres não tem, só trabalham quando conseguem um barco livre. A Cultive, então, decidiu encomendar um barco de madeira para ficar à disposição das pescadoras.

As crianças estudam numa escolinha municipal da aldeia, cada sala é dividida com duas turmas. A escola não tem sala de brinquedo, tampouco playground. Depois que acompanhei a professora Neda na sala do  jardim da infância, observei a precariedade da escola inclusive e do método pedagógico. As professoraa trabalham os diversos níveis de cognição, lateralidade, concentrão, criatividade, coordenação e sociabilização das crianças como podem sabem. Existe dedicação, mas as crianças são completamente dispersas e lhes falta uma aprendizagem básica. .

Nosso projeto leva um trabalho de estimulo artístico, criativo e estímulo aos valores das tradições. Apesar de anual  consegue plantar a semente do interesse das crianças e a participação de alguns adultos da comunidade e de professores, que aprendem com o nosso trabalho.   

 

Desde o início da pandemia o projeto está parado esperando o bom momento para voltarmos a ativa.

     Um dia de Felicidade 2017

press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/30

q=revista%20cultural%20cultive

CULTIVE 

2017

 

Nos dias 9 e 10 de janeiro de 2017 a Cultive esteve no Brasil em Camurupim na Paraíba, uma aldeia indígena na Paraíba, em Fortaleza e João Pessoa realizando a campanha “Um dia de Felicidade”.

 

A campanha teve início no ano de 2016, sob a organização de Valquiria Imperiano presidente da Cultive que intitulou o projeto Um dia de felicidade. Na ocasião fez apelo à doações de conhecidos com o objetivo de levar brinquedos e livros para as crianças e realizar uma oficina de cozinha com as mães tendo como objetivo ensinar-lhes a fabricação de bolos caseiros, macarrão e pão; e oficina de  pintura e artesanato com as crianças e as mães.

 

O projeto Um dia de Felicidade aconteceu primeiro em Fortaleza. Houve distribuição de brinquedos e oferecimento de um lanche às crianças do Abrigo Céu ( abrigo para crianças abandonadas por pais portadores de AIDS);

 

Em seguida em Camurupim, aldeia indígena no litoral da Paraíba. Houve oficina de cozinha com a fabricação de macarrão e pães, o atelier de história com as crianças, lanche e distribuição de brinquedos. Compareceram 140 crianças.

 

O terceiro local onde foram distribuídos os brinquedos: favela no bairro da Torre em João Pessoa, que fará parte da nossa agenda em 2018. Foram mais de 50 crianças que compareceram na casa da D. Creuza na Torre e saíram felizes com seus brinquedos.

 

Toda a ajuda e colaboração foi preciosa. Sem as doações e as pessoas que trabalharam durante o evento, teria sido difícil controlar mais de 150 pessoas entre mães e crianças .

 

Uma etapa terminada. Sorrisos aflorados. Agora vamos arregaçar as mangas para 2018.

 

 

Agradecimentos

CULTIVE agradece a todos que sempre contribuem e colaboram com a felicidade do próximo:

 

Demetryus Imperiano e Marcelus Imperiano: transporte de material,

Poliana Barbosa: apoio;

Melhorando (Associação italiana criada pela Marcia Rocha): oficinas e apoio;

Creuza Imperiano: apoio;

Rawel Impriano: fotógrafo;

Shyrlles Imperiano: apoio;

Ana Lucia Imperiano: apoio;

Edson Holanda: Apoio.

 

Edelzia Godinho Rocha

Graça Vasconcelus de Brito

Regina GErber

Hestia Imperiano

Leca ARaújo

Marcela Imperiano

Luciana Imperiano

Veronique Répond

Caroline Délaloy

Muito obrigada de coração a vocês que ajudam esta ação mesmo que seu nome não esteja descrito aqui. Grata.

 

Objetivo da Cultive

 

A cultive não pretende organizar grandes campanhas, mas o pouco que será feito deixará uma semente de paz germinando e todos que colaboraram de alguma maneira, sairão ganhando com o carinho emanado desse povo acolhedor.

 

Resultado obtido

Camurupim é um pequeno pedaço de paraíso com gente simples, crianças ávidas de aprender e descobrir. Nas mesas do Bar do Kel as crianças espalharam-se e criaram, durante dois dias, pinturas, cadernos de desenhos até trabalhinhos com massa de macarrão que sobrou. Foram dois dias que passaram muito rápido, mas foram dois dias em que as crianças libertaram a criatividade e o interesse pelo livro e pela criação.